Biologia

Sensor feito de secreções de bactérias analisa o suor em busca de biomarcadores, mais

Sensor feito de secreções de bactérias analisa o suor em busca de biomarcadores, mais


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Uma equipe de pesquisa formada por diferentes acadêmicos em várias universidades brasileiras desenvolveu um sensor vestível impresso em um polímero de nanocelulose bacteriogênica natural (originado de bactérias).

O sensor aderente é uma melhoria em relação ao design do sensor convencional, que é tradicionalmente impresso em superfícies de plástico. Ele pode ser utilizado como um dispositivo não invasivo de detecção de fluidos corporais, medindo os componentes do suor do usuário.

RELACIONADOS: AGAR DE ALGAS MARINHAS USADO PARA PRODUÇÃO DE FIBRA ÓPTICA NO BRASIL

A co-autora Rosa de Silva disse ao TechXplore, "Nanocelulose microbiana é um polímero 100% natural. É produzida por bactérias a partir do açúcar. Sua principal vantagem sobre o plástico é sua interface muito melhor com a pele humana. Está disponível comercialmente há alguns anos para uso em curativos para feridas, entre outras aplicações, mas nunca antes estudado como substrato de sensor eletroquímico, "

Um problema principal com os sensores vestíveis derivados de plástico é o suor que cria uma barreira entre a pele e o sensor. Embora atrapalhe a detecção, também aumenta a probabilidade de alergias. Silva afirma que “a nanocelulose é totalmente respirável, permitindo que o suor alcance a camada ativa do eletrodo”.

O sensor tem 0,5 cm (0,19 pol.) Por 1,5 cm (0,59 pol.) E é tão fino quanto um lenço de papel. Os biomarcadores que ele pode detectar incluem ácido úrico, ácido lático, glicose, potássio e sódio. Silva observa que "Esses elementos ou substâncias circulam na corrente sanguínea e também são detectáveis ​​no suor. Portanto, o monitoramento do diabetes é uma aplicação possível do sensor de nanocelulose. Outra é o controle hormonal nas mulheres por meio da detecção do hormônio estradiol."

Entre esses usos, esta pequena tira também pode ser usada para detectar o acúmulo de vários agentes poluentes atmosféricos, por exemplo, chumbo e cádmio, ambos tóxicos para os humanos.

Outro coautor Paulo Augusto Raymundo Pereira explica o mecanismo de funcionamento: “O sensor está ligado a um potenciostato que faz medições eletroquímicas por meio de variações na corrente elétrica. Os dados obtidos são transmitidos a um computador e convertidos em curvas padrão”.

Os pesquisadores estão trabalhando atualmente para tornar o sensor economicamente viável. Além disso, eles estão estudando a possibilidade de usar esses sensores para administrar drogas também.

A pesquisa será publicada no Science Direct.


Assista o vídeo: Como ACABAR com o Suor Excessivo e Hiperidrose nas Axilas (Pode 2022).