Ciência

Floating Guts, 'Sticky' Blood: Challenges of Surgery in Space

Floating Guts, 'Sticky' Blood: Challenges of Surgery in Space

No início de 2020, um astronauta no espaço desenvolveu um coágulo sanguíneo possivelmente fatal no pescoço. Embora tenham sido tratados com sucesso com medicamentos por médicos ligados à Terra, isso levantou a questão de como as agências espaciais e empresas privadas de voos espaciais que planejam pousar humanos em Marte podem realizar um tratamento médico sério além da atmosfera da Terra, de acordo com um artigo do The Conversation.

RELACIONADOS: VALE A PENA? OS CUSTOS E BENEFÍCIOS DA EXPLORAÇÃO DO ESPAÇO

Cirurgias, medicina no espaço

As emergências cirúrgicas são uma das questões mais desafiadoras das viagens espaciais. Mas nos últimos anos, pesquisadores da medicina espacial desenvolveram ideias que podem ajudar - incluindo impressoras 3D e robôs cirúrgicos.

Marte está a cerca de 54,6 milhões de quilômetros (33,9 milhões de milhas) de distância. Comparativamente, a Estação Espacial Internacional (ISS) orbita apenas 400 quilômetros (248,5 milhas) acima de nossas cabeças.

Quando uma emergência cirúrgica atinge a ISS, o procedimento envolve estabilizar o paciente e, em seguida, transportá-lo de volta para a Terra o mais rápido possível - ao mesmo tempo em que segue o conselho médico comunicado em tempo real.

Claro, isso não funcionaria em Marte, já que a evacuação levaria meses ou até anos - tarde demais para reverter uma emergência médica na Terra. Mesmo que o problema seja menor, as comunicações com a Terra são atrasadas por mais de 20 minutos - o que pode deixar um paciente astronauta desamparado em condições críticas por muito tempo.

Sem mencionar o ambiente extremo que enfrentamos durante o trânsito para e em Marte - onde os astronautas enfrentam altos níveis de radiação, microgravidade e uma cabine ou roupa fechada e pressurizada. Essas condições são desgastantes para os corpos dos astronautas e muitas vezes levam tempo para se aclimatar.

Sabemos que as viagens espaciais manipulam as células humanas, o desempenho do coração e a regulação da pressão arterial. No entanto, também afeta a distribuição de fluidos dos corpos e enfraquece ossos e músculos.

Em uma tripulação de apenas sete pessoas durante uma missão a Marte, os pesquisadores estimaram uma média de uma emergência cirúrgica a cada 2,4 anos. Prevê-se que as causas primárias sejam câncer, apendicite, inflamação da vesícula biliar ou lesão simples.

Isso é parte do motivo pelo qual os astronautas são examinados minuciosamente, mas emergências cirúrgicas também acontecem em indivíduos saudáveis ​​- e provavelmente são agravadas em ambientes extremos como o espaço.

Inventando cirurgias para viagens espaciais

Isso levou os pesquisadores a inovar e melhorar os métodos cirúrgicos, como magnetizar ferramentas cirúrgicas para que fiquem presas a superfícies em gravidade zero.

No entanto, durante a cirurgia aberta, os intestinos flutuariam em torno do local da operação, obscurecendo a visão crucial dos campos cirúrgicos. Para contornar esse problema, os viajantes espaciais provavelmente irão optar por técnicas cirúrgicas minimamente invasivas, como a cirurgia de buraco de fechadura - idealmente nas cavidades internas dos pacientes por meio de incisões minúsculas com uma câmera e instrumentos.

Fluidos corporais, sangue no espaço, em Marte

Os fluidos corporais também se comportam de maneiras diferentes em Marte e no espaço. O sangue em nossas veias pode grudar nos instrumentos por causa da tensão superficial. Além disso, gotículas de fluidos corporais podem formar correntes - restringindo a visão dos cirurgiões.

Além disso, a circulação de ar na cabine ou habitat fechado pode colocar os astronautas em risco de infecção. Ferramentas cirúrgicas repelentes de sangue e bolhas cirúrgicas podem resolver esse problema.

No momento da escrita, os pesquisadores já criaram e testaram vários gabinetes cirúrgicos em ambientes de microgravidade. A NASA, por exemplo, analisou um sistema fechado que consiste em um dossel cirúrgico de plástico transparente com portas de braço integradas - para evitar o risco de contaminação.

A lista de novas invenções, abordagens únicas e avanços tecnológicos que podem transformar de forma competente a forma como a cirurgia é feita em Marte e no espaço é praticamente infinita. Basta dizer que o campo médico não tem falta de espaço para cientistas e astronautas com visão de futuro.


Assista o vídeo: A Behind the Scenes Look at Equine Surgery (Janeiro 2022).