Materiais

O metal fica ainda mais forte em tamanhos microscópicos, descobrem os cientistas

O metal fica ainda mais forte em tamanhos microscópicos, descobrem os cientistas


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

As moedas em sua carteira, os talheres em sua mesa e até mesmo as vigas de aço que sustentam os edifícios ao seu redor são todos feitos de pequenos grãos de metal. Sob um microscópio, esses metais se assemelham a cristais entrelaçados e entrelaçados.

É bem conhecido entre os cientistas materiais que o metal se torna mais forte à medida que os grãos de metal que o compõem ficam menores - mas apenas até certo ponto, 10 nanômetros em diâmetro.

Agora, uma equipe de cientistas provou que o metal pode, de fato, se tornar ultra-forte, mesmo quando menor que 10 nanômetros.

Átomos interagindo uns com os outros

Experimentos conduzidos por uma equipe internacional dos EUA e da China permitiram aos cientistas perceber que as amostras de níquel que são três nanômetros de diâmetro e sob altas pressões, tornou-se mais forte à medida que os grãos diminuíram de tamanho.

O ex-bolsista de pós-doutorado da Universidade de Utah, Zhou Xiaoling, e o professor associado de geologia, Lowell Miyagi, explicam que seus resultados ajudam a mostrar como átomos individuais de grãos de metal interagem uns com os outros. Eles também abrem um novo método de criação de metais ultra-fortes.

Zhou disse: "Nossos resultados sugerem uma possível estratégia para fazer metais ultra fortes. No passado, os pesquisadores acreditavam que o tamanho de grão mais forte era em torno de 10-15 nanômetros. Mas agora descobrimos que poderíamos fazer metais mais fortes com menos de 10 nanômetros."

Como os cientistas realizaram seus testes?

Para chegar a essa nova conclusão, a equipe testou amostras de níquel. Eles colocaram várias amostras de tamanho de grão sob intensa pressão em uma célula de bigorna de diamante e usaram difração de raios-X para observar as mudanças em nanoescala.

"Se você já brincou com uma mola, provavelmente a puxou com força suficiente para estragá-la e não fazer o que deveria", explicou Miyagi. "Isso é basicamente o que estamos medindo aqui; o quão forte podemos empurrar este níquel até que deformemos além do ponto de ser capaz de se recuperar."

Os pesquisadores notaram que a força continuou a aumentar, até o menor tamanho de grão disponível: três nanômetros.

VEJA TAMBÉM: VIDA NA LUA É POSSÍVEL: OXIGÊNIO E METAL EXTRAÍDO DO SOLO LUNAR

o três nanômetros grão foi capaz de resistir a uma força de 4,2 gigapascals - o equivalente a dez 10.000 libras. elefantes sentados em um único salto alto - antes de se deformar. Isso torna 10 vezes mais forte do que o grão de níquel comercial.

É uma realização empolgante, no entanto, Miyagi mencionou "Não temos muitas aplicações, industrialmente, de coisas onde as pressões são tão altas como nesses experimentos, mas mostrar a pressão é uma maneira de suprimir a deformação do contorno do grão que podemos pensar outras estratégias para suprimi-lo, talvez usando microestruturas complicadas onde você tem formatos de grãos que inibem o deslizamento dos grãos uns sobre os outros. "

Suas descobertas foram publicadas em Natureza na segunda-feira.


Assista o vídeo: Cientista prova que Deus existe e ganha premio! (Julho 2022).


Comentários:

  1. Wynston

    Estupidamente partiu!

  2. Toro

    Nos vemos no site!

  3. Anfeald

    Isso me surpreendeu.

  4. Achak

    Na minha opinião, eles estão errados. Escreva para mim em PM, ele fala com você.

  5. Lay

    Não se aproxima de mim. Quem mais, o que pode solicitar?

  6. Kazrajar

    Ouço.

  7. Stearn

    Quem te contou?

  8. Hartmann

    não tem os análogos?



Escreve uma mensagem